Renault: Duster com tração integral e nova Oroch ainda sem previsão de estreia

Informações foram apresentadas por executivo da marca durante o lançamento do novo Duster
Renault Oroch 2016

Renault Oroch 2016 | Imagem: Divulgação

Com a estreia do novo Duster 2021, é claro que algumas perguntas envolvendo a gama Renault começam a surgir naturalmente. A primeira – e mais óbvia – seria: e a picape compacta-média Oroch? Ela também será atualizada nos mesmos moldes do SUV?

Questionado pelo Autoo sobre a questão, Federico Goyret, diretor de marketing da Renault no Brasil, foi evasivo e não quis entrar em muitos detalhes. “No momento a Oroch segue como está. Não temos uma previsão de atualizar a picape tão cedo”, explica o executivo.

A fala de Goyret vai ao encontro do que Ricardo Gondo, presidente da Renault no país, revelou no fim de 2019 durante entrevista com a participação do Autoo. “Desde o início de 2018 estamos buscando uma clientela diferente com a Oroch, que é uma clientela de trabalho. Isso já estava planificado. Quando falamos de picapes a gente tem uma ideia de que o ciclo de produto é semelhante ao de um carro de passeio, mas não é. O ciclo de produto de uma van, assim como de uma picape ou de um carro de passeio são completamente diferentes. Em um veículo de passeio você precisa inovar muito mais, você precisa fazer mudanças em um espaço mais curto porque o consumidor te exige mais. A picape, menos, principalmente as picapes que têm foco para trabalho. Então a Oroch vai continuar, ela atende muito bem à expectativa de vendas que a gente tem para a picape”, explicou.

Voltando para o novo Duster 2021, a fabricante explicou na apresentação do modelo que o lançamento apenas com a opção do motor 1.6 16V ocorreu porque ele concentra a maior procura por parte do público. Goyret destacou em sua apresentação que as versões com motorização 2.0 do Duster, incluindo aí o catálogo com tração integral, respondiam por apenas 2% a 3% dos emplacamentos do SUV.

O Autoo questionou Goyret sobre os rumores da estreia do motor 1.3 turbo na gama nacional da Renault, podendo também ser aplicado no novo Duster. O diretor de marketing não desmentiu a informação, revelando que tudo “está em estudo”, mas adiantou que qualquer novidade nesse sentido não ocorrerá em menos de um ano. Ao contrário do Duster europeu topo de linha, que recebe transmissão de dupla embreagem associada ao motor 1.3 TCe e tração integral, Goyret antecipou que, aqui no Brasil, se a marca lançar um Duster turbo ele oferecerá transmissão automática do tipo CVT. Em conjunto com o Duster turbo, a Renault também deverá promover algumas correções na gama, como a introdução de um sistema que dispense o já arcaico tanquinho de partida a frio no motor 1.6 16V flex. 

Vale a pena termos em mente que a Renault deverá lançar, entre o fim deste ano ou no começo de 2021, o facelift para o Captur nacional, modelo que, por concepção, é posicionado acima do Duster em preço. Como o Duster recebeu uma boa evolução em termos de equipamentos, com destaque para a inclusão de recursos como o alerta de pontos cegos na versão Iconic, a marca precisa estabelecer novamente a diferenciação entre seus dois SUVs compactos. Logo, torna-se cada vez mais provável que o motor 1.3 turbo aqui no Brasil seja lançado em conjunto com a atualização do Captur, seguindo posteriormente para o Duster. Vamos seguir de perto os próximos passos da Renault, reportando todos os detalhes aqui no Autoo. Acompanhe!  

Renault Oroch 2017
Renault Duster Oroch: foco em clientes que utilizam o modelo para trabalho
Imagem: Divulgação

 

Assine a newsletter semanal do AUTOO!